UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE RENATO ALVES DE

Universidade Presbiteriana Mackenzie Renato Alves De-Free PDF

  • Date:22 Sep 2020
  • Views:0
  • Downloads:0
  • Pages:134
  • Size:1.40 MB

Share Pdf : Universidade Presbiteriana Mackenzie Renato Alves De

Download and Preview : Universidade Presbiteriana Mackenzie Renato Alves De


Report CopyRight/DMCA Form For : Universidade Presbiteriana Mackenzie Renato Alves De


Transcription:

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE,RENATO ALVES DE OLIVEIRA. PROJETO TIM M SICA NAS ESCOLAS E A EDUCA O MUSICAL N O. FORMAL de 2003 a 2008,Disserta o apresentada ao Programa de P s. Gradua o em Educa o Arte e Hist ria da,Cultura da Universidade Presbiteriana. Mackenzie como requisito parcial para,obten o do T tulo de Mestre. Orientador Prof Dr Arnaldo Daraya Contier,O51e Oliveira Renato Alves de.
O Projeto TIM M sica nas Escolas e a Educa o,Musical N o Formal 2003 2008 Renato. Alves de Oliveira S o Paulo 2009,133 p Il 30 cm,Disserta o Mestrado em Educa o Arte e Hist ria da. Cultura Universidade Presbiteriana Mackenzie 2008,Orienta o Prof Dr Arnaldo Daraya Contier. Bibliografia p 105 108,1 Educa o Musical 2 Educa o n o formal I T tulo. RENATO ALVES DE OLIVEIRA, PROJETO TIM M SICA NAS ESCOLAS E A EDUCA O MUSICAL N O.
de 2003 a 2008,Disserta o apresentada Universidade. Presbiteriana Mackenzie como requisito parcial,para obten o do T tulo de Mestre em. Educa o Arte e Hist ria da Cultura,Aprovado em 12 de Fevereiro de 2010. BANCA EXAMINADORA,Prof Dr Arnaldo Daraya Contier Orientador. Universidade Presbiteriana Mackenzie,Prof Dra Rosana Maria Pires B Schwartz.
Universidade Presbiteriana Mackenzie,Prof Dr Celso Ant nio Mojola. Faculdade Cantareira,Eu dedico este trabalho a minha filha. Larissa por ter me dado a oportunidade,de ser pai e atrav s da sua simplicidade. e ingenuidade de crian a me fazer por,vezes ver as coisas como elas realmente. AGRADECIMENTOS, Agrade o ao meu orientador o professor Arnaldo Daraya Contier e aos.
professores do Programa de Educa o Arte e Historia da Cultura do curso de. P s gradua o da Universidade Presbiteriana Mackenzie pelos ensinamentos. e dedica o dentro e fora da sala de aula, Aos meus pais Thereza e Manoel que sempre souberam me dizer o que. eu precisava e ainda preciso ouvir E al m de muito me incentivarem neste. trabalho n o mediram esfor os me auxiliando para que eu pudesse realiz lo. N o posso deixar de agradecer a toda a minha fam lia e de modo. especial a minha esposa Regiane e minha filha Larissa pelo apoio e incentivo. e pela compreens o da minha aus ncia nesse per odo. A toda a equipe do Projeto Tim M sica nas Escolas de forma especial a. Fabiana Marquesi a Monica Maciel a Camila Demasi ao Maestro Jose. Roberto Branco e aos professores Wanderlei Marcio Cinara e Sueli mas. principalmente a todos os alunos Embaixadores da Paz que me deram a. oportunidade de aprender muito mais do que pude ensinar. N o podia deixar de agradecer aos meus amigos e colegas da Fito. principalmente os do Conservat rio Musical Villa Lobos dos quais de forma. especial a professora Neide Esperidi o pelo incentivo colabora o e. principalmente pelo carinho,E termino agradecendo a Deus pelo dom da vida. Este trabalho trata se de um estudo de caso sobre o projeto Tim M sica. nas Escolas desenvolvido com alunos da periferia de S o Paulo Ap s. selecionadas 120 crian as das 5 mil que participaram de oficinas musicais. foram divididas em 4 turmas de 30 alunos das quais tive a oportunidade de. ministrar aulas de musicaliza o durante o per odo de 2003 a 2005 a uma. turma da EMEF General De Gaulle situada no Jardim S o Luiz Zona Sul No. inicio de 2006 as aulas foram transferidas para a Escola do Audit rio Ibirapuera. e direcionadas para o aprendizado mais aprofundado do canto e de. instrumentos musicais com o intuito primeiro de formarem uma Banda. Sinf nica Foi realizado um levantamento e uma an lise dos trabalhos. realizados com os participantes do projeto assim como os resultados. alcan ados at o final de 2008 Essa pesquisa tem a ambi o de auxiliar nos. estudos sobre as pr ticas realizadas em projetos sociais com crian as que se. encontram em situa o de risco e que se utilizam da m sica como instrumento. facilitador das suas a es em busca de uma inclus o social. Palavras Chave Educa o Musical Educa o Musical n o formal. This work is a research of TIM M sica nas Escolas developed with. students of periphery of Sao Paulo After selected 120 childrens of 5 thousand. that participated of music workshops was divided in 4 groups of 30 students. what I had the opportunity to teach music during the period of 2003 through. 2005 to a class of EMEF General De Gaulle located at Jardim Sao Luis south. of the city In the begining of 2006 the class was tranfered to an auditorium of. Ibirapuera School and guided to a deeper study of singing and musical. instruments with a goal to build a symphonic band A research of this work with. the students of this project was done with the results until the end of 2008 This. research had the ambition to help on the studies of social projects with kids that. is in a risc situation and that uses the music as an instrument to a social. Keywords Musical Education No formal Musical Education. INTRODU O 8,A JUSTIFICATIVA 8,B OBJETIVO GERAL 14,B 1 OBJETIVOS ESPEC FICOS 14. C CRIT RIOS TE RICO METODOL GICOS 15,D DEBATE SOBRE A PRODU O CIENT FICA 18. D 1 A EDUCA O N O FORMAL 20,D 2 A EDUCA O MUSICAL N O FORMAL 22.
D 3 A EDUCA O MUSICAL 23,E APRESENTA O DOS CAP TULOS 25. CAP TULO I 27,1 1 O PROJETO TIM DE M SICA 28,1 2 O PROJETO TIM M SICA NAS ESCOLAS 30. 1 2 1 Princ pios Orientadores do TIM M sica nas Escolas 32. 1 3 O PROJETO TIM M SICA NAS ESCOLAS NA CIDADE DE S O PAULO 33. 1 3 1 EMBAIXADORES DA PAZ NA EMEF GENERAL DE GUALLE S O PAULO 34. CAPITULO II 44, HIST RIA DA EDUCA O MUSICAL NO BRASIL ALGUMAS REFLEX ES 45. 2 1 DO DESCOBRIMENTO REP BLICA 45, 2 1 1 A EDUCA O MUSICAL NA ERA VARGAS E O CANTO ORFE NICO 51. 2 2 A EDUCA O MUSICAL N O FORMAL 59,CAP TULO III 65.
O M TODO KOD LY 66,3 1 ASPECTOS HIST RICOS E SOCIO CULTURAIS 66. 3 2 ASPECTOS MUSICO PEDAG GICOS 69, 3 3 APLICA O DO M TODO NO PROJETO EMBAIXADORES DA PAZ 77. 3 4 INTER RELA ES COM OUTROS M TODOS SIGNIFICATIVOS 79. 3 5 EXEMPLOS 83,CAP TULO IV 86,4 1 CARACTERIZA O DA EMEF GENERAL DE GAULLE 86. 4 2 OS OLHARES DOS ALUNOS E PROFESSORES PARTICIPANTES DO TIM M SICA NAS ESCOLAS DA. EMEF GENERAL DE GAULLE 88,4 2 1 SOBRE AS EXPECTATIVAS 93. 4 2 2 SOBRE A METODOLOGIA 93,4 2 3 Sobre as Contribui es Profissionais 96.
4 2 3 1 Sobre as Contribui es no Relacionamento 98. 4 2 4 SOBRE AS TRANSFORMA ES 99,CONSIDERA ES FINAIS 101. BIBLIOGRAFIA 105,ANEXOS 109,A JUSTIFICATIVA, A presente pesquisa faz uma abordagem sobre um projeto de. Educa o Musical realizada com 30 crian as da periferia da cidade de S o. Paulo alunos da EMEF General de Gaulle sito rua Mourisca n mero 16. Jardim Ibirapuera que vivem numa rea de alto ndice de vulnerabilidade e. viol ncia onde as aulas aconteciam fora do hor rio escolar com o apoio da. iniciativa privada envolvendo crian as entre oito e onze anos estudantes de. escolas p blicas Este projeto tem o intuito de inclu los na sociedade atrav s. da sua forma o musical e form los musicalmente de maneira a estarem. capazes de atuar no mercado de trabalho Trata se de um estudo de caso. sobre o processo de Educa o Musical n o formal considerando o processo. de aprendizagem a abordagem s cio cultural na Educa o Musical realizado. no Projeto TIM M sica nas Escolas com uma das quatro turmas de alunos do. grupo denominado Embaixadores da Paz, O fen meno da globaliza o vem gerando um acelerado crescimento do. terceiro setor Segundo Boaventura de Souza Santos a globaliza o n o pode. ser considerada apenas pela gide da economia A globaliza o que deveria. proporcionar uma homogeneiza o e possibilitar de forma igualit ria a todas. as na es o acesso aos bens culturais sociais e econ micos de acordo com. a id ia ocidental de globaliza o tem convivido de forma passiva com os. v rios problemas principalmente os sociais que enfrentam hoje a maioria das. Segundo Santos 2002, A globaliza o consiste nas intera es transnacionais que. nos ltimos anos conheceram uma intensifica o dram tica desde. os sistemas de produ o e das transfer ncias financeiras. dissemina o a uma escala mundial de informa o e imagens. atrav s dos meios de comunica o social ou s desloca es em. massa de pessoas quer como turistas quer como trabalhadores. migrantes ou refugiados Trata se pois de um fen meno. multifacetado que muitos tendem a reduzir s suas dimens es. econ micas mas que tem de ser considerado tamb m nas suas. dimens es social pol tica e sobretudo cultural O que se pode. observar que nas tr s ltimas d cadas al m de n o se encaixar ao. padr o moderno ocidental de globaliza o globaliza o como. homogeneiza o e uniformiza o a globaliza o vem interagindo de. modo muito diversificado com o aumento dram tico das. desigualdades entre pa ses ricos e pobres e no interior de cada. pa s entre ricos e pobres a sobrepopula o a cat strofe ambiental. os conflitos tnicos a migra o internacional massiva a emerg ncia. de novos Estados e a fal ncia ou implos o de outros a prolifera o. de guerras civis o crime globalmente organizado a democracia. formal como condi o pol tica para a assist ncia internacional p 26. Dentro deste cen rio pol tico social e cultural o Brasil apresenta muitas. desigualdades v rias empresas multinacionais aqui instaladas como por. exemplo Nestl projeto Nutrir Cargill Funda o Cargill Tortuga Instituto. Tortuga e Projeto Mairinque pelo Futuro entre outras amparadas por leis de. recusa fiscal e incentivo cultura procuram patrocinar projetos com o intuito. de amenizar essas diferen as sociais e culturais Esse processo tamb m tem. gerado um acelerado crescimento do terceiro setor Diversas empresas. ampliaram seus investimentos em projetos sociais direcionados para a rea. educacional Considerando que os projetos sociais s o a es estruturadas e. intencionais de um grupo ou organiza o social que partem da reflex o e do diagn stico. sobre uma determinada problem tica Stephanou in Almeida 2005 a educa o. musical especificamente tem exercido um papel importante nesses projetos. Segundo Santos 2006,entre as diversificadas pr ticas e suas formas de.
ensino e aprendizagem da m sica na sociedade,contempor nea podemos destacar ao longo das. ltimas duas d cadas a forte ascens o dos,projetos sociais muitas vezes ligados a ONGs e. outras institui es do terceiro setor que focam um,ensino da m sica contextualizado com o universo. sociocultural tanto dos alunos quanto dos,m ltiplos espa os em que acontecem Essas. pr ticas musicais propostas contemplam um,n mero significativo de pessoas que n o tendo.
acesso ao ensino musical formal encontram,nesses projetos a possibilidade de conhecer fazer. e praticar m sica p 108, No entanto para o aprendizado das artes em particular o da m sica. n o tem sido dado o merecido valor pelos sistemas de ensino e por muitas. vezes considerado com menor import ncia em rela o ao de outras. disciplinas Apesar de ter sido um avan o a aprova o h poucos meses da. lei federal n 11769 08 que faz com que o ensino da m sica deva ser. obrigat rio na educa o b sica para todos os sistemas de ensino at 2011. ainda h muito a fazer para que o ensino da m sica possa contribuir de forma. concreta no aprendizado e na forma o da crian a no Brasil O. reconhecimento da lacuna que h entre uma educa o musical. transformadora que possibilite crian a vivenciar e experimentar o fazer. art stico e a realidade dentro das salas de aulas est no pr prio texto dos. PCNs de Arte produzidos pela Secretaria de Educa o Fundamental MEC. O que se observa ent o uma esp cie de c rculo, vicioso no qual um sistema extremamente prec rio de. forma o refor a o espa o pouco definido da rea, com rela o s outras disciplinas do curr culo escolar. Sem uma consci ncia clara de sua fun o e sem uma,fundamenta o consistente de arte como rea de.
conhecimento com conte dos espec ficos os,professores n o conseguem formular um quadro de. refer ncias conceituais e metodol gicas para,alicer ar sua a o pedag gica n o h material. adequado para as aulas pr ticas nem material,did tico de qualidade para dar suporte s aulas. te ricas p 26, A aus ncia do Estado em v rios setores e o movimento crescente do. Terceiro Setor propiciaram o surgimento de muitos projetos sociais que. utilizam a M sica e a Educa o Musical com eixo de suas a es criando. assim em ambientes n o formais propostas no sentido da forma o critica e. art stica de crian as e adolescentes, Maria da Gl ria Gohn 2001 educadora e pesquisadora no mbito da.
educa o n o formal observa que in meras inova es adv m das pr ticas. geradas pela sociedade civil que alteram a rela o Estado Sociedade ao longo. do tempo e constroem novas formas pol ticas de agir De fato s o in meras as. novas pr ticas sociais expressas em novos formatos institucionais da. participa o tais como os conselhos os f runs as assembl ias populares e as. parcerias Em todas elas a educa o n o formal est presente como processo. de aprendizagem de saberes entre seus participantes Para a autora. A educa o n o formal designa um processo com, v rias dimens es tais como a aprendizagem pol tica. dos direitos dos indiv duos enquanto cidad os a, capacita o dos indiv duos para o trabalho por meio da. aprendizagem de habilidades e ou desenvolvimento de. potencialidades a aprendizagem e exerc cio de pr ticas. que capacitam os indiv duos a se organizarem com,objetivos comunit rios voltadas para a solu o de. problemas coletivos cotidianos a aprendizagem de, conte dos que possibilitem aos indiv duos fazerem uma. RENATO ALVES DE OLIVEIRA PROJETO TIM M SICA NAS ESCOLAS E A EDUCA O MUSICAL N O FORMAL de 2003 a 2008 Disserta o apresentada ao Programa de P s Gradua o em Educa o Arte e Hist ria da Cultura da Universidade Presbiteriana Mackenzie como requisito parcial para obten o do T tulo de Mestre Orientador Prof Dr Arnaldo Daraya Contier S o Paulo 2009 O51e Oliveira

Related Books