PSICOLOGIA DIFERENCIAL OS V RIOS TEMAS DESTE RAMO DA

Psicologia Diferencial Os V Rios Temas Deste Ramo Da-Free PDF

  • Date:28 Oct 2020
  • Views:1
  • Downloads:0
  • Pages:76
  • Size:285.97 KB

Share Pdf : Psicologia Diferencial Os V Rios Temas Deste Ramo Da

Download and Preview : Psicologia Diferencial Os V Rios Temas Deste Ramo Da


Report CopyRight/DMCA Form For : Psicologia Diferencial Os V Rios Temas Deste Ramo Da


Transcription:

www psicologia com pt,Documento produzido em 25 07 2008. Trabalho de Licenciatura,1 HIST RIA E CONTEXTUALIZA O. Come ando com um pouco de hist ria e contextualiza o. Psicologia Diferencial quando surgiu, Na viragem do s culo a Psicologia Diferencial come ou a ganhar uma forma definida No. ano de 1895 Binet e Henri publicaram um artigo intitulado La psychologie individuelle 4 que. representava a primeira an lise sistem tica dos objectivos alcance e m todos da psicologia. diferencial A primeira frase reflectia o estado deste ramo da psicologia naquele momento. afirmando o seguinte Iniciamos aqui um tema novo dif cil e at agora muito escassamente. explorado 4 p g 411 Binet e Henri expuseram como um dos maiores problemas da psicologia. diferencial primeiro o estudo da natureza e alcance das diferen as individuais nos processos. psicol gicos e segundo a descoberta das inter rela es dos processos mentais do indiv duo de. forma que podemos chegar a uma classifica o de tra os e determinar quais as fun es b sicas. Em 1990 surgiu a primeira edi o do livro de Stern sobre psicologia diferencial ber. Psychologie der individuellen Differenzen 32 A primeira parte tratava da natureza problemas e. m todos da psicologia diferencial Dentro deste ramo da psicologia Stern inclu a as diferen as. entre indiv duos assim como grupos raciais e culturais n veis social e de ocupa o e um e outro. sexo Assim o problema da psicologia diferencial era triplo Primeiro quais s o a natureza e. alcance das diferen as na vida psicol gica dos indiv duos e dos grupos Segundo que factores. determinam ou afectam estas diferen as Em liga o a isto mencionava a heran a o clima o. n vel social e cultural a forma o e a adapta o entre outros Terceiro como se manifestam. estas diferen as Podem ser detectadas atrav s de ndices como a escrita m o e a configura o. facial Stern inclu a al m disso uma an lise dos conceitos de tipo psicol gico individualidade. e normalidade e anormalidade Aplicando os m todos da psicologia diferencial efectuou uma. valoriza o da introspec o a observa o objectiva o uso de material tomado da hist ria e da. poesia o estudo da cultura os testes quantitativos e a experi ncia Por outro lado a segunda. parte continha uma discuss o geral e alguns dados sobre diferen as individuais em v rios tra os. psicol gicos desde as simples capacidades sensoriais at aos mais complexos processos mentais. e caracter sticas emocionais A obra de Stern voltou a surgir numa edi o cuidadosamente revista. e aumentada em 1911 e de novo em 1921 sob o t tulo de Die Differentielle Psychologie in ihren. methodischen Grundlagen 33, Na Am rica nomearam se comiss es para investigar os m todos de aplica o de testes e. para incrementar a acumula o de dados sobre diferen as individuais Na sua reuni o de 1895 a. Associa o Psicol gica Americana designou uma comiss o permanente para organizar uma. inspec o etnogr fica da popula o branca de EE UU Cattell um dos membros da comiss o. Catarina I Mendes Portela 2,www psicologia com pt,Documento produzido em 25 07 2008.
Trabalho de Licenciatura, assinalou a import ncia de incluir testes psicol gicos nesta inspec o e sugeriu que o seu. trabalho fosse coordenado com a proposta da Associa o Psicol gica Americana 10 p ginas. Kelly 19 em 1903 e Norsworthy 24 em 1906 compararam crian as normais a outras. com debilidades mentais em testes sensorio motores e testes mentais simples Umas quantas. investiga es isoladas apareceram antes de 1900 Em 1904 Woodworth 38 e Bruner 8. aplicaram testes a alguns grupos primitivos na Exposi o de St Louis No mesmo ano apareceu. o artigo original de Spearman tornando p blica a sua teoria dos factores da organiza o mental e. introduziu uma t cnica estat stica para a investiga o do problema 31 Com esta publica o. Spearman abriu o campo da investiga o sobre a rela o de caracter sticas e aplanou o caminho. para a actual an lise factorial,2 DEFINI O DE PSICOLOGIA DIFERENCIAL. Ent o como se define a Psicologia Diferencial, A Psicologia Diferencial pode definir se como o estudo emp rico das diferen as entre. indiv duos entre grupos e no pr prio indiv duo Por conseguinte dirige se ao estudo da. variabilidade psicol gica Na medida em que a estrutura f sica bem como diversos par metros. som ticos podem contribuir para esta variabilidade estes s o igualmente dom nios de interesse. para a Psicologia Diferencial, 2 1 Dom nios de Investiga o em Psicologia Diferencial. Existem portanto tr s grandes dom nios de investiga o em Psicologia Diferencial que s o. os seguintes dimens es das diferen as individuais variedades das diferen as psicol gicas inter. grupos problemas metodol gicos subjacentes e explica o das diferen as psicol gicas. 2 1 1 Evolu o da Investiga o em Psicologia Diferencial. Aqui destacam se os antecedentes da Psicologia Diferencial que foram a filosofia b. astronomia c psico f sica d psicologia cient fica e estat stica e f biologia. A Filosofia, O aparecimento da Psicologia Diferencial n o estranho dada a exist ncia das diferen as.
individuais pois desde sempre as pessoas diferiram Nem sempre a evolu o da Filosofia ou das. Catarina I Mendes Portela 3,www psicologia com pt,Documento produzido em 25 07 2008. Trabalho de Licenciatura, ideias ou da concep o do ser humano ou da concep o do Homem permitiu que fossem dadas s. diferen as individuais a pureza que elas t m aqui no sentido de serem apoiadas como um objecto. Quanto aos antecedentes mais remotos da Psicologia Diferencial vai parar se Gr cia. Antiga e aos cl ssicos da Psicologia Diferencial que seriam as ideias de Plat o sobre as. diferen as individuais, Na obra A Rep blica de Plat o surgem as primeiras abordagens das diferen as. individuais as quais s o vistas como sendo inatas e permitindo aos indiv duos o desempenho de. algumas fun es adaptadas ao seu modo de ser nessa obra que ele reconhece a exist ncia de. diferen as entre os indiv duos nenhuma pessoa nasce id ntica a outra mas cada uma difere da. outra em dotes naturais, A sociedade est dividida em classes que por sua vez est o divididas de acordo com as. suas diferen as individuais Os indiv duos pertencentes s classes mais altas possuem maiores. capacidades Assim Plat o nessa obra defende uma sociedade relativamente est tica que. historicamente tem a sua raz o de ser porque tinham havido na altura v rias derrotas do ponto de. vista liberal Plat o pretende apoiar com as suas ideias um poder autorit rio Deste modo ele. vai apoiar uma organiza o social muito r gida muito estabelecida Vai ainda defender que. determinadas capacidades ou determinadas compet ncias existem ligadas a determinadas classes. sociais devido a essas classes desempenharem determinadas fun es. Devido a esse facto que se deve tentar manter essa estrutura social r gida de forma a que. em cada classe social as pessoas sejam dotadas de determinadas capacidades necess rias para. poderem exercer determinadas fun es sociais, Plat o prop e o controlo dos casamentos e o controlo da reprodu o em determinadas.
classes sociais de maneira a que essas pessoas n o possam reproduzir fora da sua classe social. fora do seu n vel social e manter dessa maneira as caracter sticas das classes sociais. Isto importante porque a primeira vez na hist ria da Filosofia em que as diferen as. sociais s o consideradas e em que existe uma s rie de utilidades espec ficas dessas diferen as. Ou seja as pessoas s o diferentes porque as suas fun es s o diferentes tamb m considerada a. utilidade social das diferen as individuais, Tamb m em Arist teles as diferen as individuais s o inatas e t m uma fun o social. Surge depois uma primeira tentativa de classifica o das diferen as individuais Hip crates. e Galeno trazem consigo a primeira tipologia, Hip crates foi muito influenciado pela constitui o f sica na qual distingue dois grandes. tipos de f sicos Portanto as pessoas s o diferentes entre si quanto sua complei o f sica. Galeno procura propor uma tipologia para o temperamento onde distingue os indiv duos. consoante a domin ncia de v rios humores,Catarina I Mendes Portela 4. www psicologia com pt,Documento produzido em 25 07 2008. Trabalho de Licenciatura, No per odo da idade m dia dominam os fil sofos ligados igreja como Santo Agostinho e.
S o Tom s de Aquino Eles prop em uma classifica o baseada na ideia da exist ncia de. faculdades psicol gicas diferentes, C Wolff retoma a ideia das faculdades elaborando essa ideia ao afirmar que as faculdades. da alma podem ser utilizadas diferentemente e podem ser modificadas pelos indiv duos Teoria. Moderna das Faculdades, Foi ent o elaborada uma lista dessas faculdades e Gall vai avali las atrav s da apalpa o. do cr nio surgindo uma ci ncia designada de Frenologia. B Astronomia, Ao longo do s culo XIX as observa es astron micas baseavam se em grande medida nos. sentidos humanos como a vis o e a audi o Come aram a verificar se diferen as individuais. quando cada observa o de um acontecimento astron mico ocorria no mesmo observador. Bessel preocupa se com o modo de avalia o das diferen as individuais calculando uma. medida das diferen as individuais atrav s da equa o pessoal. C Psico F sica, Surge com o estudo de qual a intensidade necess ria para que os sujeitos fossem percebidos. e da diferen a apenas percept vel entre dois sujeitos o que leva a que eles sejam percebidos. como diferentes Limiar Diferencial,D Psicologia Cient fica.
O empirismo e o associacionismo que surgem no s culo XIX s o muito importantes ao. n vel das diferen as individuais do confronto destes dom nios que vai nascer a Psicologia Os. experimentalistas v o procurar fazer um mapa psicol gico isto como que as pessoas. percebem o mundo e ver que tipo de diferencia o existe na maneira como se v o mundo. A Psicologia Cient fica nasceu num laborat rio em Leipzig com Wundt em 1879 o qual. tentava descrever todos os conte dos poss veis da consci ncia humana e por isso utilizava. sujeitos nas suas experi ncias os quais eram levados a relatar as mesmas isto a descrever o. conte do da sua consci ncia Nestes estudos apareciam as diferen as individuais mas. considerava se que as mesmas obscureciam os resultados da investiga o. Catarina I Mendes Portela 5,www psicologia com pt,Documento produzido em 25 07 2008. Trabalho de Licenciatura,E Estat stica, Surge a partir de jogos ao n vel do c lculo de probabilidades Pela primeira vez verifica se. a possibilidade de se efectuarem avalia es de grandes amostras em termos de diferen as. individuais S o estudos sistem ticos das diferen as individuais. F Biologia, O nome sonante aqui o de Darwin em cuja teoria da evolu o das esp cies est o as. diferen as individuais Estas determinam diferentes probabilidades de sobreviv ncia dos. indiv duos em determinados meios,2 1 2 Dom nio da Psicologia Diferencial. Em 1990 Stern fornece a designa o de Psicologia Diferencial a este novo campo da. Psicologia, Os objectivos da Psicologia Diferencial nesta rea s o estudar a natureza e a extens o das.
diferen as psicol gicas entre indiv duos e entre grupos estudar os factores que determinam ou. afectam essas diferen as e estudar como se manifestam essas diferen as e como as mesmas. podem ser avaliadas na observa o dos indiv duos, No primeiro objectivo a extens o refere se at quando que existem diferen as se as. diferen as s o acentuadas ou se s o pequenas A natureza a vari vel psicol gica. correspondendo ao tipo de diferen as existentes entre os indiv duos ou entre os grupos do ponto. de vista psicol gico No segundo objectivo vai caber Psicologia Diferencial identificar n o s o. tipo de diferen as psicol gicas existentes e avaliar a sua extens o mas tamb m explicar essas. diferen as O terceiro objectivo situa se ao n vel da medida psicol gica campo da Psicometria. Entretanto ao longo da primeira metade do s culo XIX vai assistir se separa o de uma. disciplina em duas dentro da Psicologia, 1 A Psicologia Experimental com ra zes no laborat rio com objectivos de generaliza o. e com o desejo de formular leis gerais, 2 A Psicologia Diferencial centrada nas diferen as utilizando as diferen as como. objecto de estudo,Catarina I Mendes Portela 6,www psicologia com pt. Documento produzido em 25 07 2008,Trabalho de Licenciatura.
2 1 3 Metodologia da Psicologia Diferencial, Na primeira metade do s culo XX a Psicologia Diferencial desenvolve se muito ligada. pr tica e portanto assiste se a tr s desenvolvimentos. Desenvolvimento das Aplica es,o Campo Escolar,o Campo Militar. o Campo Civil Empresarial de Selec o Profissional,o Campo da Psicologia Cl nica. o Campo da Investiga o,Desenvolvimento das T cnicas de Observa o. o Escala de Binet Simon,o Testes Colectivos,o Testes Multi Factoriais.
o Testes de Laborat rio,Desenvolvimento das T cnicas Estat sticas. o Psicologia Correlacional, 2 2 Momentos marcantes na origem da Psicologia Diferencial. Esquematizando o que foi mencionado anteriormente podem destacar se alguns dos. momentos mais importantes para a origem deste ramo da psicologia. 1884 Galton pai da Psicologia Diferencial Laborat rio Antropom trico. 1890 McKeen Cattell Testes Mentais,1896 Binet e Henri Psicologia Individual. 1900 Stern Psicologia Diferencial,Catarina I Mendes Portela 7. www psicologia com pt,Documento produzido em 25 07 2008.
Trabalho de Licenciatura, 2 3 Modalidades de estudo da Psicologia Diferencial. Em meados do s culo XX pode distinguir se na Psicologia Diferencial tr s modalidades de. A Psicologia Diferencial pode definir se como o estudo emp rico das diferen as entre indiv duos entre grupos e no pr prio indiv duo Por conseguinte dirige se ao estudo da variabilidade psicol gica Na medida em que a estrutura f sica bem como diversos par metros som ticos podem contribuir para esta variabilidade estes s o igualmente dom nios de interesse para a Psicologia

Related Books